Tradição de colecionar figurinhas da Copa rompe fronteiras entre gerações

10/04/2018

 

Os álbuns de figurinha marcam simbolicamente o início do clima de Copa e atrai diversas faixas etárias do público brasileiro. Há quase 70 anos, eles viraram febre mundial e, em 2018, é sucesso entre os colecionadores.

 

Esse ato de colecionar cromos contagia muitas pessoas e não tem idade. Abrir o envelope e notar o rosto daquele jogador que falta na coleção, ou mesmo se deslumbrar com as cromos mais brilhantes, é algo que resiste ao tempo e até hoje conquista gerações. 

 

"Eu herdei esse hábito do meu avô. Ele começou em 1950, com o famoso álbum balas de futebol, lançado no ano da Copa do Mundo no Brasil", destaca o Diretor na empresa Museu Itinerante do futebol, colecionador ubaense, Nilson Morais.

 

O primeiro livro oficial de figurinhas de futebol começou a propagar-se no país, na Copa de 1950, realizada no Brasil. O produto era patrocinado pelas Balas Futebol, mais conhecidas pelos álbuns do que propriamente pelo sabor. Anos depois, a Editora Dimensão Cultural decidiu inovar - lançando um álbum de figurinhas metálicas. Mas, seja a figurinha simples ou brilhante, elas não simbolizam somente uma paixão pelo futebol, como também, marcam algum determinado momento da vida.

 

O colecionador Nilson, relata uma de suas histórias em que as cromos fizeram parte. "O primeiro álbum que comecei a colecionar foi na década de 1974, na Copa da Alemanha. Esse álbum marcou minha vida negativamente; primeiro porque o meu avô morreu e, segundo, porque eu tinha certeza que a Seleção Brasileira conquistaria o tetracampeonato, mas aí, apareceu uma tal de Holanda e deu um passeio na gente; depois daquela fantástica Seleção Brasileira de 1970 que encantou o mundo inteiro".

 

A tradição de troca de cromos da Copa é antiga, mas quando chega o período de Copa do Mundo, a procura aumenta e a compra e troca de figurinhas entre os colecionadores é comum.

 

O jornalista e colecionador, Mateus Gori, explica como funciona a troca entre os colecionadores de cromos. "O processo de troca de figurinhas é simples, conforme você compra, algumas ficam repetidas, assim você troca as suas repetidas com as de algum amigo ou conhecido. Existem pontos em que as pessoas se reúnem - normalmente, próximos à bancas de jornal - que são os estabelecimentos responsáveis pela venda dos álbuns e dos pacotinhos". 

 

Gori ainda diz que comprar o álbum completo só para somar à coleção não é o objetivo, o encanto está na troca. "Não faz sentido encomendar o álbum completo, pois o ato de colecionar álbuns de figurinha remete à compra dos itens e posterior troca dos cromos. Comprá-lo completo faz com que se perca toda a graça e o sentido da coleção", explica.

 

Otávio Fernandes, de 11 anos, também coleciona álbuns, e não é de hoje. Ele conta o porquê dessa paixão e explica o motivo de um de seus álbuns estar incompleto. "Coleciono, porque gosto de trocar figurinhas com meus amigos, ter uma lembrança. Pra mim, o álbum de 2014 foi muito difícil completar, porque na época, saíram muitas figurinhas repetidas". Otávio ressalta: "Meu álbum favorito é o deste ano, 2018".

 

A dona de banca de jornal, ubaense, Edilene, informou que em outros anos foi preciso contratar funcionários, devido  a demanda de trabalho aumentar no período da Copa, mas, esse ano foi diferente. "Esse ano não foi preciso contratar novos funcionários, por conta da situação econômica do país, mas geralmente, quando o fluxo de vendas aumenta, peço ajuda aos parentes". Edilene ainda fala sobre a lucratividade propiciada pelas cromos. "Nessa época, obviamente, o percentual de lucro da banca aumenta pela questão cultural  de troca de figurinhas. Vem gente de outras cidades trocar e, o fato da banca ser localizada no ponto central - praça São Januário, favorece", explica a proprietária.

 

 

As figurinhas dos jogadores da Copa do Mundo no Brasil são fabricadas na fábrica da Panini em Tamboré, São Paulo. São impressas 40 milhões de figurinhas diariamente.

 

O pacote com cinco figurinhas é vendido a R$ 2,00. O álbum, que conta com 682 figurinhas, custa R$ 7,90 e o álbum de capa dura: R$ 49,90 em forma de kit, com mais 60 figurinhas. Para saber mais, clique aqui.

 

Confira todas as capas dos álbuns de figurinha da Copa do Mundo.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaque
Please reload

Últimas
Please reload

Facebook

JORNAL O NOTICIÁRIO © 2016 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS