Museu Itinerante do Futebol tem exposição no Fórum Cultural de Ubá

19/06/2018

 

O Museu Itinerante do Futebol já está aberto ao público de Ubá e região, do dia 18 de junho até o dia 15 de julho, trazendo uma exposição já apresentada em inúmeras cidades e estados do Brasil, que será realizada durante toda a Copa do Mundo, no Fórum Cultural, localizado na Praça São Januário, das 09 às 21 horas.

 

O diretor ubaense do Museu Itinerante do Futebol, Nilson Morais, considerado e reconhecido como um colecionador que possui um dos maiores acervos da seleção brasileira, conta sobre a importância do museu em sua vida e fala sobre a exposição na cidade. "O museu é a realização da minha vida. Uma ideia minha, que durante a Copa do Mundo, se transforma numa realidade. Começou com meu avô e é uma profunda identificação com a infância. Em 74, foi um pontapé inicial, pois com a perda da Copa do Mundo que a paixão nasceu". Ele salienta: "Demorou uns 30 anos, mas agora veio o valor, porque a administração me procurou e se manifestaram. Eu fazia evento no Brasil inteiro, em São Paulo, Rio, Belo Horizonte, mas eu nunca havia feito uma exposição do mesmo nível que essa aqui, em Ubá", afirma.

 

O museu, que virou uma empresa, ficará até o final da Copa. Nilson explica a finalidade de trazer a exposição para o município. “O museu é um presente para a cidade e tem como propósito propiciar a oportunidade das pessoas conhecerem a verdadeira história de uma seleção vitoriosa. Então tentei retratar o máximo que eu pude o que de melhor o Brasil trouxe. São homens vitoriosos; este ano é um ano emblemático, fazem 60 anos que o Brasil ganhou a taça”.  E ressalta: “É um resgate da memória e, principalmente para que as pessoas voltem a ter essa proximidade com a camisa amarela da Seleção e conhecerem a verdadeira história”.

 

Ele ainda conta sobre sua proximidade com jogadores renomados e a felicidade em fazer algo que é sua paixão. "Ganhei a taça da Fifa e a taça Jules Rimet, réplica. Fiz uma exposição no Mineirão e o Blatter estava lá, também o Rodrigo Paiva - que na época era meu amigo e assessor de imprensa da CBF. Então esses jogos, eles me arrumavam para expor. Pude conhecer vários jogadores, como o Pelé, dentre outros. Poucas pessoas têm esse tipo de sorte. Eu fui amigo dos meus ídolos", finaliza. 

 

 

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaque
Please reload

Últimas
Please reload

Facebook

JORNAL O NOTICIÁRIO © 2016 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now