Estado não paga e municípios protestam com grande paralisação

21/08/2018

 

 

Nesta terça-feira (21), prefeituras municipais, secretarias e departamentos pararam o atendimento. Escolas e faculdades de Ubá e região também foram afetadas pela apropriação indébita dos recursos de ICMS e IPVA, referente ao FUNDEB e dos repasses em atraso do Transporte Escolar, Saúde, e Assistência Social por parte do Governo do Estado.

 

Com o lema: "Basta! Chega de confisco! Se o Estado não pagar, as prefeituras vão parar!" - os municípios mineiros, principalmente os pequenos, que dependem exclusivamente dos repasses do município, promovem uma manifestação contra os atrasos de repasses de verbas estaduais - no intuito de alertar e conscientizar a população sobre a grave situação que os municípios enfrentam.

 

O objetivo é pressionar e cobrar do governo estadual um posicionamento referente aos atrasos constantes dos repasses de verbas de diversas áreas. A dívida atualizada em 16 de agosto, de acordo com a Associação Mineira dos Municípios (AMM), chega a R$ 8,1 bilhões, conforme projeção do calendário do próprio Governo. 

 

O superintendente acadêmico, da Faculdade Governador Ozanam Coelho (FAGOC), Marcelo Daibert, fala sua percepção sobre a paralisação do transporte escolar. "Trabalho na educação há anos e entendo que é papel dos gestores, em todas as esferas, seja federal, estadual ou municipal - cabe a eles primar e defender a educação e a saúde. Sou contra a qualquer movimento que impeça os alunos de estudarem; os ônibus, muitas das vezes são a única alternativa dos alunos", e enfatiza: "Eu entendo isso como uma ação errada que extrai da população o direito que está na nossa Constituição, de estudar e ter saúde".

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaque
Please reload

Últimas
Please reload

Facebook

JORNAL O NOTICIÁRIO © 2016 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now