Minas vai aderir ao Regime de Recuperação Fiscal, segundo Zema

23/11/2018

 

 

O governador eleito de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo) afirmou no dia 22 de novembro, durante evento na capital paulista, que o Estado vai entrar no Regime de Recuperação Fiscal (RRF) do Governo Federal, para renegociar sua dívida. O programa foi criado com o propósito de oferecer aos estados com grave desequilíbrio financeiro instrumentos para o ajuste das contas.

 

"Não há alternativas para Minas a não ser repactuar a dívida de R$ 90 bilhões que tem com a União", afirmou Zema. "[...] Vamos tentar agilizar ao máximo este pacote para que isso ocorra até o primeiro semestre de 2019. Vai ter impacto no segundo semestre e nos anos seguintes". 

 

O governo federal exige algumas contrapartidas para adesão ao RRF, principalmente medidas de austeridade fiscal. O governador eleito salientou sua pretensão em realizar a venda de empresas estatais, congelando contratações de funcionários públicos e reajustes, que ficarão limitados à reposição da inflação.

 

Zema também disse que anunciará ainda na tarde do dia 22, o nome de Gustavo Barbosa para ser o secretário da Fazenda em Minas. "É alguém que sabe conduzir o processo", declarou o governador. A estimativa é que o déficit de Minas Gerais fique em R$ 12 bilhões em 2019.

 

Além da questão do endividamento, Romeu disse que Minas deve aos 853 municípios do Estado R$ 10 bilhões em repasses constitucionais, que deveriam ter sido repassados nos últimos meses, mas acabaram ficando retidos. Outro problema é o salário do funcionalismo, que está sendo pago de forma parcelada. "Apesar de todas estas dificuldades, ainda é um Estado viável", disse.

 

O governador eleito reafirmou três pontos em  que sua gestão em Minas será baseada: corte de despesas, aumento de receita sem aumentar impostos e a renegociação da dívida por meio da adesão ao regime federal. "Minas Gerais tem perdido participação na economia do Brasil sistematicamente nos últimos 20 anos", afirmou.

 

Questionado pela plateia sobre a privatização da estatal de energia elétrica Cemig, Zema disse que há dois caminhos para a companhia: sanear e depois privatizar a empresa, o que aumentaria seu preço, ou fazer a privatização direta. Esta última opção dependeria do preço que o mercado pagaria pela empresa.

 

FONTE: (Jornal Hoje em Dia).

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaque
Please reload

Últimas
Please reload

Facebook

JORNAL O NOTICIÁRIO © 2016 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS